PSICANÁLISE: O QUE SABE SOBRE VOCÊ?

O interesse pelo conhecimento da vida mental não é nada recente. Desde a medicina de Hipócrates na Grécia clássica do século IV a.C com seu tratado sobre as Teorias Humorais, importantes descobertas vem sendo obtidas através dos estudos voltados para a compreensão da mente humana, passando por Philippe Pinel - o pai da psiquiatria - e seu discípulo Esquirol, que no século XVIII desvendaram uma gama de patologias mentais, até os avanços tecnológicos e de estudos neurocientíficos da atualidade.

Mas um divisor de águas realmente ocorreu em meados do século XIX quando um médico neurologista vienense chamado Sigmund Freud se dedicou aos estudos de fenômenos histéricos. Surgia a revolucionária metapsicologia para a 'terapia das neuroses' chamada de Psicanálise, avultando-se posteriormente com o advento da escola inglesa de Melanie Klein, Bion, entre outros.

Não somos apenas o que pensamos ser: somos mais! Somos também o que lembramos e aquilo de que nos esquecemos; somos as palavras que trocamos, os enganos que cometemos, os impulsos a que cedemos 'sem querer'... o que sabe sobre você? (Sigmund Freud)

A psicanálise é tanto um complexo e extenso corpo teórico de modelos que versam sobre o funcionamento da vida mental, bem como um conjunto de instrumentos técnicos de exploração do inconsciente (a parte desconhecida de nós mesmos) com base na experiência emocional da sessão analítica, dispensando-se de causalidades, factualidades, ontologias, diagnósticos ou prognósticos, comuns em outros formatos como a psicologia e a psiquiatria por exemplo, o que torna o pensamento psicanalítico algo bastante singular e epistemologicamente distinto de outras psicoterapias.

Fazer análise é um longa caminhada que permite viver uma experiência inserida em um espaço-tempo-parceria de proporções terapêuticas e com possíveis desdobramentos que provável implique, entre outros propósitos singulares de cada indivíduo que procura um/a analista, conhecer-se mais e aprender a lidar melhor consigo mesmo, como pensa, sente e vive as emoções.

... entre outros propósitos singulares de cada indivíduo que procura um/a analista,
conhecer-se mais e aprender a lidar melhor consigo mesmo...

Reconhecer um outro olhar de si pela investigação de aspectos obscuros da personalidade inconsciente, recobrar a paz mental frente a pensamentos inquietantes e perturbadores, suplantar conflitos internos indigestos, cativos, recorrentes e angustiantes e ressignificar o sofrimento são transformações possíveis pelas vias de um crescimento psíquico capaz de tornar as pessoas mais pensantes, livres, plenamente autênticas e emocionalmente saudáveis e amadurecidas.   

Como na letra da canção Viagem ao Fundo do Ego da banda nacional Egotrip dos anos 80: "Há um lugar místico em mim, algo assim bem escondido, um planeta inexplorado, um horizonte perdido...coragem para enfrentar frente a frente eu comigo, como se enfrenta um irmão no exército inimigo, coragem para encarar frente a frente eu no espelho..."

*Fotos: Sigmund Freud, Melanie Klein e Wilfred Bion